-->

Vingadores – Era de Ultron

V2poster

Um dos blockbusters mais aguardados de 2015, Vingadores – Era de Ultron direciona um novo caminho que o universo Marvel irá seguir daqui pra frente. Com uma franquia já estabelecida no cinema, o estúdio também investe e expande seu universo na TV, tendo a oportunidade  com as séries de abordar personagens que dificilmente teriam espaço no grupo principal (não é o caso do Demolidor, mas a liberdade que a TV proporciona foi a melhor escolha  para o personagem). Agora, neste recente filme, um dos mais fechados e concisos da franquia, além de preparar terreno para futuras aventuras, desenvolve os conflitos internos do grupo e mostra que nem tudo são flores na vida de um super-herói, principalmente quando o principal perigo para a humanidade pode vir deles.  

O diretor Joss Whedon é novamente o responsável pelo carro-chefe da Marvel, e através de um roteiro simplista na estrutura narrativa, mas com sub-tramas que trazem um certo ar de complexidade, Era de Ultron trata sobre o começo do fim deste super grupo, e um dos principais motivos para isso, um dos maiores acertos deste filme, sem sombra de dúvidas, é Ultron.

Na Estante (14) – Veludo Azul (1986)

VAposterEm 1986, David Lynch era um diretor com fortes tendências surrealistas que havia estreado com sucesso em Hollywood anos antes com Eraserhead e posteriormente repetido o mesmo êxito com o, hoje, clássico O Homem-Elefante, estrelado por Anthony Hopkins. Uma mancha, porém, constava em sua recente carreira: a adaptação do considerado “inadaptável” livro Duna, em 1984. Tendo sido rejeitado o projeto da adaptação proposta por Alejandro Jodorowsky (por ser um filme “difícil” e caro demais para ser filmado e que provavelmente não teria uma boa recepção do grande público), Lynch – com tendências cinematográficas parecidas com as do chileno – foi convidado para dirigir uma nova adaptação do sci-fi, ainda que soubesse que não poderia deixar suas fortes marcas autorais no filme e que não teria direito à edição final. O resultado: um enorme fracasso.

Pior Cenário Possível – Matanza

PCImatanza

Pior Cenário Possível é o sétimo álbum de estúdio da banda Matanza. Desta vez, o popularizado countrycore sai de cena, deixando espaço para o metal em um trabalho mais sério e sombrio. O novo projeto também marca a saída do baixista China que, logo após a gravação, foi substituído por Don Escobar. Outra adição na banda é o guitarrista Maurício Nogueira, apesar de já vir tocando nos shows. Contudo, o fato mais importante é que a banda liderada por Jimmy London – e a sua voz única – ainda continua com o excelente rock que dá orgulho dizer que é made in Brazil

Volume Máximo (38) – Seus olhos de raio-x dizem aleluia

Noel

O cenário da música inglesa geralmente é sinônimo de boa qualidade, mesmo que tenha exceções como qualquer país. A Inglaterra já nos presenteou com lendas da música como The Beatles, The Rolling Stones, Queen, só para citar alguns de uma lista sem fim. Um dos nomes memoráveis desta lista é a banda Oasis, amada por uma legião fiel de fãs, e com todos os méritos.

Infelizmente tudo que tem um começo tem um fim, mas isso não significa que se deve parar após o término. Noel Gallagher continuou sua carreira com a banda High Flying Birds que, neste ano, lançou o segundo álbum de estúdio Chasing Yesterday. Não há grandes mudanças no som que ele é acostumado a fazer, com direito as belas composições intimistas, apostando em um suave rock britânico, o popular britpop. Destaque para a linda e poética balada The Girl With X-Ray Eyes, a folk Riverman e, o single, Ballad Of The Mighty I que traz um baixo totalmente viciante. Esses ingleses sabem fazer música como ninguém.

Memory Card (9) – Hotline Miami: Wrong Number

Hotline-Miami

Ainda longe do meu querido videogame, de uns tempos para cá, a solução é jogar pelo PC, mas nada muito pesado como um Battlefield ou FarCry da vida, pois meu computador não aguenta tanto. Então, a melhor opção do momento foi Hotline Miami: Wrong Number, grande sucesso da Devolver Digital. 

Confesso que joguei muito pouco o primeiro game, o que deve ter prejudicado minha total experiência na continuação, pelo menos no quesito história. Contudo, a diversão e muitos xingamentos foram garantidos, em um game bom para passar o tempo e responsável por uma trilha sonora incrível.